08/08/2012

PALÁCIO de PAPEL


Oh! Que pena
Você não é mais a minha insperação.
Mas sempre vou me lembrar de uma rua onde...
 ... Aconteceu um fracasso.

Cheguei e fiquei. 
Não participo mais da inundação
De uma avenida.

Mas sempre vou me lembrar de um silêncio
Que me disse um não.

Sempre vou me lembrar
Que ninguém vive de poesia
Que pela nova oportunidade
 Eu voltei.

Eu tenho medo do fogo
Me escondo da chuva.

Mas sempre vou me lembrar que
minhas asas são de acetinado,
Coladas com cola de milho.
Posso voar, mas estou andando em 
adesivo brilhante.  
Tenho correntes e quero ficar.

Eu me escondo no Palácio de papel
Não mais posso voar.   
                                                                              Mirianeide Cândido