29/04/2012

Um Grito parado no ar

parado no ar
O céu escuro, feio e chuvoso 
Poucos pássaros lutavam contra
a força do vento

A montanha úmida, sumia
por entre o cinzento da neblina.
um elo, Prendia as forças do supro
Sonho de liberdade.

Uma vilo aparência de um rosto
cançado, pela busca infinita do 
possível, impossível.

Sem forças para andar, rastejava
pensava o eco! o eco!
E gritei, mas foi límites, sim 
Um grito parado no ar.
                                                                           (Mirianeide)